Resenha: O Silêncio do Olhar

Terceiro livro da autora catarinense Katia Rebello que leio, O Silêncio do Olhar foi um dos poucos neste ano que consegui ler de uma sentada (deve ter sido o único…). A escrita da Katia é fluida e gostosa de ler, simples, sem firulas, e mesmo assim prende o leitor. Lançado pela editora Papa-Livro em 2011, a produção foi a parte prática da tese de doutorado da Katia em Literatura na UFSC, em 2007. No trabalho teórico ela conta passo a passo do processo de produção de um romance, e o produto final foi esse livro. Divino, né?

O Silêncio do Olhar conta a história de Anita, ou Pipa, apelido dado pelo namorado Fábio. Anita é vendedora de perfumes franceses, Fábio é poeta, ou ao menos almeja ser. Ela não entende por que seu namorado, com quem está há mais de um ano, tem tanta dificuldade em declarar seus sentimentos por ela, mesmo que ela insista. Anita tem ciúmes da Poesia de Fábio, essa amante a quem ele se abre e conta todos os seus sentimentos.

IMG_20170830_102419177~2Fábio se corresponde com Solano, poeta já consagrado, e envia a ele seus poemas, pois ele poderia intermediar seu contato com editores para publicar os textos. Anita não se conforma em como ele é capaz de enviar as poesias a um estranho, mas não consegue mostrá-las a ela, que supostamente é o assunto de tais poemas! Furiosa e curiosa, ela decide tirar uns dias de férias e ir atrás do poeta Solano.

Katia traz uma reflexão interessante sobre o modo como imaginamos profissionais de certas áreas… como é um poeta? Como ele se comporta? São todos iguais? Fábio parece um poeta saído do Romantismo: ele sofre, é apático, pálido, taciturno, solitário. Já Solano…

“Na aparência, ninguém adivinharia que era poeta. Alguém suspeitaria que eu vendia perfumes, só de olhar? Somos o que fazemos e blá blá blá… mas precisamos nos parecer com nosso ofício?”

Solano fazia piadas, era alegre, bronzeado, rodeado de amigos, vivia na praia e se misturava aos pescadores. A maior parte do romance se desenrola na vila à beira-mar onde mora Solano e na Pousada onde Anita se hospeda, por isso a foto de capa de uma praia e suas ondas.

O livro é narrado pela Própria Anita, em primeira pessoa. O tom é bastante coloquial, o que torna a narrativa natural, com construções de pensamento que qualquer pessoa comum poderia ter. Com essa transparência temos acesso às sensações, dúvidas, raivas, receios da protagonista, como se ela fosse “gente como a gente”.

“Não comparamos como os homens agem, comparamos como eles nos tratam. Todos querem sentir prazer, nem todos o querem dar.”

Anita descobre que as palavras têm poder, mas o silêncio também o tem. E que um olhar pode dizer muito mais do que qualquer palavra pode expressar.

Gostou? Fique atento, vai ter sorteio de um exemplar autografado pela autora 😀

Se quiser conhecer outro título publicado pela Katia, aqui tem a resenha do Até que a Morte os Separe, lançado em 2016.

Título: O Silêncio do Olhar
Autora: Katia Rebello
Ano: 2011
Páginas: 178

Nota: 10

 

Anúncios

Resenha: Até que a morte os separe

Mais uma vez a escritora catarinense Katia Rebello nos brinda com um romance de linguagem leve, simples, carregada de diálogos bem estruturados e por vezes engraçados… e que nos prende. Li Até que a morte os separe de uma sentada! Esse é o décimo livro publicado por ela, o primeiro foi A Casa da Praia, em 1991. Esse primeiro havia recebido o Prêmio Nacional de Romance Virgílio Várzea, em 1988.

20170129_142812
Clássica selfie com o livro 😀

Até que a morte os separe é contado do ponto de vista da protagonista Patrícia, que tentará separar o casal Marlice e João. Ela vê o sofrimento da amiga em um namoro conturbado. João é ciumento e possessivo, mas Marlice está apaixonada e não quer deixá-lo. Patrícia então decide que só a morte de João iria afastar a amiga desse crápula. Ela começa a planejar o assassinato de João, mas no meio dessa tentativa descobre alguns fatos do passado que vão fazer toda a diferença na história.

Uma característica muito marcante dos livros de Katia é que todas as suas protagonistas são mulheres, e todas as histórias são narradas em primeira pessoa. Para ela é natural entrar na cabeça de uma personagem feminina, forte e independente.

Gosto de como a Katia aborda a questão da liberdade da mulher e da igualdade de gêneros de maneira sutil ao longo da história. Ali alguns homens também fazem trabalhos domésticos e não deixam tudo para suas esposas, e ela levanta a bandeira de que a mulher deve ser livre para fazer suas escolhas, por isso Patrícia fica p* quando a amiga cogita abandonar uma ótima oferta de emprego para cuidar do noivo. Ela teme que Marlice fique aprisionada com esse possível casamento.

A história é ótima e muito bem amarrada, reservando surpresinhas pro final, mas que não deixam o final “corrido”, como algumas vezes acontece com romances policiais e histórias de mistério. A fluidez do texto é muito natural.

Um pequeno senãozinho, que para muitos pode ser um defeito mais grave é a capa. Um romance com tanto potencial para ser lido e vendido precisa de uma capa mais trabalhada para chamar a atenção de leitores. Às vezes tenho a impressão de que editoras menores pecam um pouco nesse aspecto e acabam tornando os livros menos atraentes do que realmente são. É claro que isso não prejudica a leitura, mas pode repelir um possível leitor.

Ficha técnica:

Título: Até que a morte os separe Katia Rebello
Ano: 2016
Páginas:
232
ISBN:9788572912198

Nota: 10 pelo texto, 9 pelo conjunto.