Sorteio: O Silêncio do olhar, de Katia Rebello

Para comemorar a Semana Nacional do Livro e da Biblioteca (23 a 29 de outubro), o Blog Literatismos está sorteando um exemplar autografado do livro O silêncio do olhar, da autora catarinense Katia Rebello.

Para participar é muito fácil! É só curtir da fanpage do Literatismos no Facebook, curtir o post do sorteio e marcar dois amigos nos comentários.

O resultado sai no dia 30 de outubro!

SINOPSE:

Silêncio do Olhar conta a história de Anita, vendedora de perfumes franceses. Ela namora Fábio, que é poeta, ou ao menos almeja ser. Ela não entende por que seu namorado, com quem está há mais de um ano, tem tanta dificuldade em declarar seus sentimentos por ela, mesmo que ela insista. Anita tem ciúmes da Poesia de Fábio, essa amante a quem ele se abre e conta todos os seus sentimentos.

Fábio se corresponde com Solano, poeta já consagrado, e envia a ele seus poemas, pois ele poderia intermediar seu contato com editores para publicar os textos. Anita não se conforma em como ele é capaz de enviar as poesias a um estranho, mas não consegue mostrá-las a ela, que supostamente é o assunto de tais poemas! Furiosa e curiosa, ela decide tirar uns dias de férias e ir atrás do poeta Solano.

Leia a resenha do livro neste link.

sorteio livro katia.png

Anúncios

Resenha: O Silêncio do Olhar

Terceiro livro da autora catarinense Katia Rebello que leio, O Silêncio do Olhar foi um dos poucos neste ano que consegui ler de uma sentada (deve ter sido o único…). A escrita da Katia é fluida e gostosa de ler, simples, sem firulas, e mesmo assim prende o leitor. Lançado pela editora Papa-Livro em 2011, a produção foi a parte prática da tese de doutorado da Katia em Literatura na UFSC, em 2007. No trabalho teórico ela conta passo a passo do processo de produção de um romance, e o produto final foi esse livro. Divino, né?

O Silêncio do Olhar conta a história de Anita, ou Pipa, apelido dado pelo namorado Fábio. Anita é vendedora de perfumes franceses, Fábio é poeta, ou ao menos almeja ser. Ela não entende por que seu namorado, com quem está há mais de um ano, tem tanta dificuldade em declarar seus sentimentos por ela, mesmo que ela insista. Anita tem ciúmes da Poesia de Fábio, essa amante a quem ele se abre e conta todos os seus sentimentos.

IMG_20170830_102419177~2Fábio se corresponde com Solano, poeta já consagrado, e envia a ele seus poemas, pois ele poderia intermediar seu contato com editores para publicar os textos. Anita não se conforma em como ele é capaz de enviar as poesias a um estranho, mas não consegue mostrá-las a ela, que supostamente é o assunto de tais poemas! Furiosa e curiosa, ela decide tirar uns dias de férias e ir atrás do poeta Solano.

Katia traz uma reflexão interessante sobre o modo como imaginamos profissionais de certas áreas… como é um poeta? Como ele se comporta? São todos iguais? Fábio parece um poeta saído do Romantismo: ele sofre, é apático, pálido, taciturno, solitário. Já Solano…

“Na aparência, ninguém adivinharia que era poeta. Alguém suspeitaria que eu vendia perfumes, só de olhar? Somos o que fazemos e blá blá blá… mas precisamos nos parecer com nosso ofício?”

Solano fazia piadas, era alegre, bronzeado, rodeado de amigos, vivia na praia e se misturava aos pescadores. A maior parte do romance se desenrola na vila à beira-mar onde mora Solano e na Pousada onde Anita se hospeda, por isso a foto de capa de uma praia e suas ondas.

O livro é narrado pela Própria Anita, em primeira pessoa. O tom é bastante coloquial, o que torna a narrativa natural, com construções de pensamento que qualquer pessoa comum poderia ter. Com essa transparência temos acesso às sensações, dúvidas, raivas, receios da protagonista, como se ela fosse “gente como a gente”.

“Não comparamos como os homens agem, comparamos como eles nos tratam. Todos querem sentir prazer, nem todos o querem dar.”

Anita descobre que as palavras têm poder, mas o silêncio também o tem. E que um olhar pode dizer muito mais do que qualquer palavra pode expressar.

Gostou? Fique atento, vai ter sorteio de um exemplar autografado pela autora 😀

Se quiser conhecer outro título publicado pela Katia, aqui tem a resenha do Até que a Morte os Separe, lançado em 2016.

Título: O Silêncio do Olhar
Autora: Katia Rebello
Ano: 2011
Páginas: 178

Nota: 10

 

10ª Feira Catarinense do Livro

Até o próximo sábado, 13 de maio, acontece no Largo da Alfândega, em Florianópolis, a 10ª Feira Catarinense do Livro. Mais de 40 escritores locais vão passar pelo evento, para divulgar suas obras, conversar com os leitores e fazer sessões de autógrafos. Entre os convidados estão Katia Rebello, Ana Esther Balbão Pithan, Inês Carmelita Lohn e Luciana Bertoldo.

Além dos escritores e clássicos estandes para aquisição de livros (alguns  com títulos a DEZ REAIS!), há também apresentações culturais e contação de histórias. Você pode conferir a programação no site da Câmara Catarinense do Livro, que organiza o evento.

Na sexta-feira, 5 de maio, estive na Feira prestigiando a escritora Katia Rebello, que estava autografando seu 10º livro publicado, Até que a Morte os Separe, e o autor Nelito Raimundo, que estava expondo seu livro O único, sem as letras A, B, C e D.

O que vem por aí

Capa Controlados Vol. I.pngNo dia 11, a partir das 13h, o jovem autor Peterson Silva irá expor os dois primeiros volumes da série Controlados: A união dos castelos ocultos e A Guerra da União. Um prato cheio para quem adora fantasia! A história se passa em Heelum, um lugar onde os magos podem entrar na mente das pessoas, influenciar seus sentimentos e controlar seus pensamentos. Algumas raças acham que para haver paz e justiça a magia deve ser erradicada, e outros acham melhor educar a todos sobre as forças ocultas do reino, para que possam viver melhor. Um terceiro livro está em andamento.

Se quiser conhecer um pouco mais sobre a série, acesse o site oficial. O vá bater um papo com o escritor e prestigiar um pouco a literatura de Santa Catarina 😉

 

Resenha: Andando Sozinho

Primeiro romance do escritor Fernando T. Moraes, natural de Itajaí (SC), Andando Sozinho acompanha o personagem Carlos Montenegro na tentativa de esclarecer as circunstâncias misteriosas que envolveram a morte de sua namorada da adolescência, Amanda Marcondes.

Carlos é visivelmente problemático, com uma tendência forte ao alcoolismo e depressão, desencadeados provavelmente pelos fatos dramáticos que ocorreram em sua vida. Ele abandona sua cidade natal, Santana, após a morte de Amanda, e depois de dez anos recebe um estranho bilhete datado de muito depois da morte dela, e assinado pela própria Amanda. Ele compara com uma última carta que ela lhe havia escrito e confirma que a letra era a mesma. Decide então voltar à minúscula cidade para tirar essa história a limpo.

andando-sozinho-fernando-t-moraes
Divulgação/Fernando T. Moraes

Entre reencontros com pessoas amigas, Carlos percebe uma atmosfera estranha envolvendo a cidade, que traz também personagens muito suspeitos. Quando ele chega à cidade, a história toda do assassinato de Amanda vem à tona. Gostei bastante do uso de capítulos do tempo presente alternados com digressões do dia fatídico, e no meio das cenas cotidianas comuns vão aparecendo situações incomuns e até mesmo bem tensas. Algumas cenas são muito bem descritas, chegando a dar desconforto. Como escritor de suspense, Fernando poderia explorar mais esses recursos.

Infelizmente, o autor deixou uma ou outra ponta solta (que não vou contar o que é, porque será spoiler caso você queira ler). Nada que prejudique o entendimento, mas você fica se perguntando o que aconteceu com aquilo. Algumas explicações também vieram um pouco tarde. Confesso que eu já táva meio p* com um certo fato, do qual poderia haver indícios antes e poderia se confirmar posteriormente.

Acho que o Fernando tem bastante potencial para crescer como escritor. Se quiser conhecer mais sobre ele, acesse esse post aqui em que falei um pouco sobre esse lançamento e o primeiro livro dele, Bem-vindo à escuridão, de contos.

Ficha Técnica

Título: Andando Sozinho – Fernando T Moraes
Ano: 2015
Páginas: 222
ISBN: 978-85-8473-413-9
Editora: Multifoco

Nota: 7

 

Resenha: Ode de Sangue

Madalena é uma vampira de 400 anos que vive em um monastério. A gente poderia pensar que os objetos sagrados manteriam um vampiro longe de um ambiente assim, mas o perigo à vida dela não reside nos objetos, e sim na fé daqueles que os usam. Além disso, Madalena busca a salvação. Ela sente culpa por ter dentro de si uma besta que tira vidas humanas e se alimenta de sangue para sobreviver.

Narrado em primeira pessoa, o conto Ode de Sangue – memórias vampirescas, da escritora Nana Garces, mostra o conflito interno da irmã Madalena. Como bem diz um dos personagens, ela é humana demais para uma vampira. Madalena sente, sofre e até chora. Em certo momento, ela conta de onde veio seu nome, inspirado em Maria Madalena, o que achei uma sacada genial, porque combina com a personalidade dela:

“Madalena foi uma mulher de duas vidas. Ela foi atrás do que acreditava, buscando redenção.”

Ao contar sua história e as mazelas por trás da vida religiosa de um monastério, ela muitas vezes se emociona com o próprio relato e passa essa mesma impressão ao leitor. Eu senti pena, raiva, em alguns momentos me arrepiei e em outros me emocionei. A narrativa é densa e rica em detalhes, porque Madalena é uma boa contadora de histórias.

quote-ode-de-sangue-1Algumas vezes seu interlocutor interrompe o relato, voltando ao momento presente com alguma pergunta, e eu até havia esquecido que ela estava em outra cena e narrando para outra pessoa o que havia ocorrido 400 anos antes. As mudanças de foco narrativo são muito bem construídas. Em alguns momentos me lembrei de Entrevista com o Vampiro, quando Daniel  (Christian Slater) faz intervenções à narrativa de Louis (Brad Pitt).

Percebi que Madalena não é uma vampira convencional. Estamos acostumados à sensualidade, ao mistério, aos banhos de sangue e à violência nas histórias de vampiros. Madalena é uma vampira de classe. Ela é amante de música e literatura e quer continuar convivendo com a raça humana, sem lhe fazer mal, e algumas vezes buscando justiça.

Ode de Sangue é um e-book e foi publicado pela Essência Literária. Ele está disponível na Amazon, neste link.

Nota: 10, a história me prendeu!

Ficha
Título: Ode de Sangue – memórias vampirescas –
Nana Garces
Editora: Essência Literária
Ano: 2016
63 páginas

Obs importante: Esse foi meu primeiro contato com histórias de vampiros na literatura. Até esse momento, confesso que nunca havia lido nada, apenas vi filmes (como o que citei acima), mas depois dessa leitura me deu vontade de ler Anne Rice e Bram Stocker!