Escritora Lélia Pereira Nunes lança Corpo de Ilhas

Nesta quarta-feira, 13, a escritora e professora Lélia Pereira Nunes lança o livro Corpo de Ilhas, coletânea de crônicas que abordam realidades culturais das raízes açorianas, sentimentos de pertença, histórias comuns e que têm a pretensão de contribuir com o debate sobre a atlanticidade literária. O evento será no Emporium Bocaiúva, no Centro de Florianópolis, às 19h.

capa-corpo-de-ilhas-3D

Estudiosa da contribuição cultural da diáspora açoriana na Ilha de Santa Catarina, neste novo livro Lélia Pereira Nunes navega o Atlântico para aproximar culturas e reafirmar nossa ligação afetiva com o arquipélago dos Açores, em crônicas e artigos que nos trazem múltiplos saberes e análises. Junto com seus já publicados títulos Ilha de Santa Catarina, Ilhas Açorianas e Outras Ilhas, a obra reúne textos que refletem a realidade brasileira, garimpando memórias, lembrando figuras ícones da cultura nacional e derramando o olhar por outras manifestações da cultura popular.

Corpo de Ilhas é o título desta coletânea de crônicas e comporta várias formas de olhar, de revelar as Ilhas na expressão sentimental das minhas raízes islenhas.”, diz a escritora, natural de Tubarão. Coligado pelo espaço geográfico, o conjunto de livros trata também de outras ilhas que podem estar na sua cidade natal, no território catarinense ou espalhadas pelo grande arquipélago Brasil. 

Sobre a autora

Lelia Pereira NunesLélia Pereira da Silva Nunes é catarinense de Tubarão e cidadã honorária de Florianópolis, onde reside desde 1970. É Escritora e professora da UFSC, aposentada. Socióloga de formação e Mestre em Administração Pública (UFSC). 

É Titular da Cadeira 26 da Academia Catarinense de Letras e, atualmente, Secretária Geral da entidade. Sócia Emérita do Instituto Histórico e Geográfico de Santa Catarina. Pertence a Casa do Jornalista de SC, ao Instituto Açoriano de Cultura, ao Instituto Histórico da Ilha Terceira e ao Instituto Cultural de Ponta Delgada.

Desde 1984 tem dedicado a maior parte do seu trabalho literário à cultura tradicional açoriana no sul do Brasil e nos Açores. Suas referências bibliográficas incluem crônicas, ensaios, biografias. 

Anúncios

Rosane Cordeiro lança novo livro na próxima semana

capa_de_choros_e_velas_3D

No dia 22 de maio, a escritora manezinha Rosane Cordeiro lança o segundo título de sua carreira: De choros e velas – o feminino em verso e prosa, pela Editora Dois por Quatro. O evento acontece na pizzaria João Manjericão, no Centro Histórico de São José, a partir das 20h e tem entrada gratuita.

O livro aborda o universo feminino em 20 contos e 33 poemas, e, segundo a autora, a obra é sua menina dos olhos. “É uma leitura para quem não teme o feminino  sufocado em cada um de nós”, diz. Ela desconstrói e  desestabiliza a escrita, a linguagem e a vida.

O prefácio foi escrito pelo professor e filósofo Paulo Petronílio, que diz “com seu charme poético, para além do seu livro-pauta, desafia o leitor a rir da retidão do pensamento. Ao não gostar de escrever em linhas retas, ela faz monstros nas costas do cartesianismo e se metamorfoseia quando escreve”.

Sobre a autora

Rosane-Cordeiro-escritoraRosane nasceu em Florianópolis, em 1966, graduou-se em Letras Português e Italiano, com mestrado e doutorado em Letras-Literatura Brasileira pela Universidade Federal de Santa Catarina, e é professora. Publicou crônicas e artigos nos jornais Ô Catarina e Diário Catarinense. Hoje desenvolve projetos voltados à leitura e à produção textual, além de oferecer cursos de redação para concursos e vestibulares.

Seu primeiro livro, Teatro do Cotidiano, foi publicado em 2014 pela Editora Insular. Com crônicas que abordam a transcendência do dia a dia, a autora o transforma numa expressão literária singular, na qual o comum e a simplicidade se tornam raros e preciosos aos olhos do leitor.

Outro projeto da autora, já no prelo é Olhares Cotidianos. Em 2015 ela entrou para a AJASOL, a Academia de Letras de São José. Para conhecer mais textos de Rosane Cordeiro, acesse: rosanecordeiro.simplesite.com.br

Fotos: Editora Dois por Quatro

choros e velas convite - rosane cordeiro

 

Adonai Zanoni lança Conexão Stellar em Florianópolis

O empresário Adonai Zanoni, lançou na terça-feira, 24, o terceiro livro publicado em sua carreira: Conexão Stellar – O coração peregrino no caminho das estrelas, da editora Carbo. O livro traz ferramentas de coaching e pitadas de filosofia, tudo isso para incentivar o autoconhecimento e o desenvolvimento pessoal. O lançamento foi nas Livrarias Catarinenses, do Shopping Beiramar.

A expressão-chave da obra é a consciência existencial e a compreensão de nosso lugar no mundo, que o autor tenta despertar no leitor com textos reflexivos, vivências de pessoas que passaram pelo coach de Adonai e também experiências do próprio empresário. “O grande desafio do ser humano é a aceitação e entendimento do seu propósito, que são as três perguntas clássicas: de onde eu vim? O que estou fazendo aqui? Para onde eu vou? O livro tenta fazer com que o leitor encontre esse canal que nos conecta com o todo”, diz o autor.

adonai zanoni conexao stellar

O livro ensina o leitor a tomar decisões, iniciar projetos e lhe oferece ferramentas para mantê-los. “O principal medo das pessoas que procuram coaching é a autoestima, insegurança, medo de dar o próximo passo. Precisamos quebrar essas amarras e restrições que também são impostas pelo sistema, pela sociedade, pelos dogmas. Esse despertar é que o livro tenta buscar”, explica o autor. Os textos também incentivam o hábito de ter palavras, pensamentos e ações positivas, indicando alguns caminhos para alcançá-los, como a meditação e a música.

Sobre o autor

Adonai Zanoni é natural de Florianópolis, diretor da empresa Reitz Innovation, que desenvolve soluções tecnológicas para área da saúde. Graduado em Administração, com MBA em Gestão Estratégica de Negócios e Gerenciamento de Projetos, atuou em empresas dos setores automotivo, hoteleiro, alimentício, TI, comunicação e marketing. Seu portfólio inclui mais de 700 palestras pelo Brasil. É palestrante, mentor empresarial, choach, e já atuou em áreas de desenvolvimento de sistemas, administração, gestão de pessoas, comunicação e marketing.

Ele trabalha agora em outro projeto, que já tem o título de Puro Sangue: a alquimia da sabedoria, que, segundo o autor também tem esse viés de busca pelo autoconhecimento, cura interna. O autor explica que a obra vai trabalhar a força dos animais, mais especificamente a força do cavalo.

 

Dia Nacional do Livro Infantil: conheça cinco autores catarinenses

Instituído como Dia Nacional do Livro Infantil pela Lei 10.402/2002, 18 de abril foi a data em que nasceu o escritor Monteiro Lobato, em 1882, que publicou tantos livros infantis e influenciou gerações de leitores brasileiros. Quem é que nunca ouviu falar do Sítio do Picapau Amarelo, cenário de grande parte de suas obras? Seu primeiro livro para o público infantil foi A Menina do Narizinho Arrebitado, lançado em 1920.

Para celebrar a data, o Literatismos traz cinco autores catarinenses de livros infantis que você precisa conhecer – ou apresentar para seus filhos, sobrinhos, afilhados, primos, netos, irmãos…

1 – Maria de Lourdes Krieger

Natural de Brusque, nasceu em 1941 e se transferiu para Florianópolis em 1973. Ela é professora Língua Portuguesa e Literatura Infantil, formada em Letras pela FURB (Fundação Educacional da Região de Blumenau). Sua primeira publicação foi em 1969, quando produziu uma coleção didática para alunos de 1ª a 4ª séries.

Maria de Lourdes Krieger pratica equilíbrio entre os extremos de inclinação pedagógica e a intencionalidade lúdica da literatura, em textos bem ilustrados.Tem mais de 15 livros publicados, sendo uma das escritoras que mais produz literatura para o público infantil. Entre seus títulos estão: Ana levada da breca (1990), Irmão-sanduíche (1993), O gato que não sabia miar (1989) e Dona Onça da Floresta – Histórias do Folclore Brasileiro (1972), que recebeu menção honrosa em concurso de literatura infantil em Santa Catarina no mesmo ano, e em 1977 em concurso da Revista Escrita, publicação que foi símbolo de resistência e de difusão da literatura na década de 70.

maria de lourdes krieger - foto clube da leitura
Maria de Lourdes Krieger em visita à EBM Osmar Cunha. Foto: Clube da Leitura – Secretaria Municipal de Educação de Fpolis

 

2 – Augusto de Abreu

novo mundo - augusto de abreu
Foto: divulgação ACPCC

Nascido em São Paulo, em 1960, Augusto de Abreu radicou-se em Florianópolis, onde fez graduação em Letras e pós-graduação em Teoria da Literatura na UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Também graduou-se em Serviço Social na Universidade de Ribeirão Preto (SP). Faz parte de várias associações literárias, como  ACPCC (Associação dos Cronistas, Poetas e Contistas Catarinenses), Grupo de Poetas Livres, Academia Desterrense de Letras e Academia Catarinense de Letras e Artes (na qual ocupa a cadeira Nº 4).

Até o momento Augusto de Abreu tem seis livros destinados ao público infantil: o primeiro Quem faz o ovo?, de 1995, e o mais recente Novo Mundo, de 2012. Neste, as crianças podem ver diferentes questões apresentadas pelo autor  e pelo ilustrador Rael Dionísio: exclusão e inclusão, preconceitos, tempo e espaço, outros planetas, fábulas e folclore.

3 – Eglê Malheiros

Professora, ensaísta e escritora, Eglê Malheiros nasceu em Tubarão, em 1928. Foi a primeira mulher a graduar-se em Direito na UFSC, no início dos anos 50, e tem mestrado em Comunicação pela UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro). É tradutora de obras literárias e técnicas do Inglês, Francês, Alemão, Espanhol e Italiano. Foi tradutora e colaboradora das enciclopédias Delta-Larousse e Mirador.

Junto de Salim Miguel (com quem depois se casaria) e de um grupo de intelectuais da Ilha de Santa Catarina criou o Grupo Sul, entre os anos 40 e 50. Esse Círculo de Arte Moderna de Santa Catarina revolucionou o meio cultural local com ideias que os modernistas já haviam disseminado nos anos de 1920 no centro do país. Devido à sua trajetória social, é considerada uma mulher de vanguarda.

egle-salim - antonio carlos miguel
Eglê Malheiros Miguel e seu marido, também escritor, Salim Miguel (já falecido). Foto: Antônio Carlos Miguel (filho do casal)
Escreveu seu primeiro livro de literatura infantil em 1986, Desça, menino!, e seu segundo em 2002, Os meus fantasmas. Mas publicou outros títulos, entre eles Cruz e Sousa – poemas, de 2011, do qual foi organizadora e responsável pelas notas e seleção dos poemas, e Vozes Veladas, de 1995.

4 – Alcides Buss

alcides buss - agecom ufsc
Foto: Agecom – UFSC

Poeta, professor de Teoria Literária e Literatura Brasileira, editor de revistas literárias, diretor cultural, criador do Varal Literário e do Círculo de Leitura da UFSC… o currículo de Alcides Buss é extenso. Ele nasceu em Salete (SC), em 1948 e é formado em Letras, com mestrado em Literatura Brasileira.

Começou a escrever para as crianças com a ideia de mostrar a seus filhos o encanto das letras. Tem três títulos publicados para o público infanto-juvenil: A Poesia do ABC (1989) que recebeu o prêmio Revelação, da Associação Paulista de Críticos de Arte, em 1990; Pomar de palavras (2000) e Saber não saber (2009).  Para conhecer mais sobre o autor, acesse: www.alcidesbuss.com

5 – Urda Alice Klueger

Autora de mais de 20 livros, entre romances, crônicas, relatos de viagens e literatura infanto-juvenil, Urda Alice Klueger é natural de Blumenau, nascida em 1952. Historiadora graduada e pós-graduada na FURB, militante dos movimentos sociais, ela também é editora, pesquisadora em Arqueologia no litoral de Santa Catarina sobre os Sambaquianos e já foi cronista do jornal Diário Catarinense.

urda alice klueger - diario da cidade
Foto: Diário da Cidade

Alguns de seus títulos para crianças são A vitória de Vitória, de 1998; O povo das Conchas, de 2004, relacionado à sua pesquisa arqueológica;  e Crônicas de Natal e Histórias da minha Avó,  de 2008.

Urda é autora do texto que deu origem ao curta Por causa de Papai Noel, foi finalizado em outubro de 2006 e passou por onze festivais em todo o país, tendo ganho prêmios como o de melhor filme em Brasília e o de melhor atriz infantil para Karina Carvalho em Minas Gerais. Participou de cerca de 40 festivais no Brasil, em Portugal, Coreia e Rússia, recebendo diversas premiações.

Prorrogadas as inscrições para o Concurso Literário Cidade de Joinville

Autores residentes em Santa Catarina podem se inscrever até o dia 18 de março no Prêmio Literário Cidade de Joinville. A obra deve conter cinco textos do gênero conto e deve ser inédita. A premiação é no valor de R$ 10 mil  e será entregue em cerimônia durante a Feira do Livro de Joinville 2018, realizada de 08 a 17 de junho de 2018.

Para participar, é necessário enviar uma obra contendo cinco contos via correio (Sedex ou AR) – será considerada a data da postagem na agência até o dia 3/3. No remetente, o candidato irá se identificar apenas com pseudônimo. Devem ser postados dois envelopes:

  • O primeiro envelope deve conter  a documentação do candidato para inscrição: Cópia da Cédula de Identidade e comprovante de residência no Estado de Santa Catarina, sendo um comprovante atual e outro datado de 2 (dois) anos ou mais. As cópias, antes aceitas somente autenticadas, agora podem ser cópia simples.
  • O segundo envelope deverá ter a obra inédita impressa em três vias, e um envelope menor com a identificação do autor.  Qualquer identificação fora do envelope pode desclassificar o autor.

premio literario cidade de joinville 2018

O endereço para envio é:
Rua Monsenhor Gercino, 127 sala 2B – Itaum – Joinville/SC
CEP: 89.210-145
PRÊMIO LITERÁRIO CIDADE DE JOINVILLE
REMETENTE: (Indicação APENAS de pseudônimo)
TÍTULO DA OBRA:

A obra deve ser impressa em papel ofício, apenas em uma face, com Fonte Times New Roman, tamanho 12, espaço 02 (dois), páginas numeradas e rubricadas.

A Comissão de Análise de Documentação, de posse dos envelopes, realizará a abertura dos envelopes contendo a documentação relativa à habilitação dos
proponentes (Envelope nº1), e sua apreciação. Serão informadas no site da Feira do Livro de Joinville as inscrições não aceitas, e disponibilizados aos autores os envelopes lacrados dos proponentes inabilitados.

Para mais informações, consulte o edital clicando aqui.